A Pesca ao Achigã – Spinning em águas doces

manabu-kurita PESCA ACHIGA

Manabu Kurita com o seu achigã pescado em 2009 com 10.92kg




O Achigã

O Achigã é uma das espécies de água doce mais procuradas pelos pescadores desportivos Portugueses.

É um verdadeiro predador, o que torna a sua pesca absolutamente fantástica.

O achigã prefere cursos de água com fraca corrente e com vegetação aquática abundante.

Águas muito turbas com menos de 40 centímetros de visibilidade podem diminuir a possibilidade da captura do achigã.

Durante o dia, o achigã procura a vegetação, amontoados de pedras, fundos com detritos, troncos, entre outros.

Para se proteger da intensidade da luz e obter um esconderijo para fazer emboscadas as suas presas.

Como pescar achigãs

Da cadeia alimentar dos achigãs fazem parte crustáceos, peixes, moluscos e insetos. Podem ser várias as partes no rio onde o Achigã pode viver, o pescador do Achigã deve ser versátil.

Se depender apenas da pesca à superfície poderá ter sucesso em bastantes situações, no entanto, terá alturas que está técnica não funcionará.

O pescador deve ajustar a Técnica utilizada em função da época do ano, tipo de água, da profundidade, do tipo de vegetação aquática entre outros inúmeros fatores.

pesca ao achiga

 

Por onde começar-Padrões a seguir

Um pescador quando chega ao pesqueiro onde pretende praticar a pesca ao achigã, a sua primeira preocupação não será o tipo da amostra a utilizar.

A atenção do pescador deve recair sobre a combinação de dois fatores, sendo eles: a localização do achigã e a apresentação necessária para proporcionar o ataque do achigã.

Estes dois fatores podem alterar de dia para dia e em algumas situações podem até mesmo se alterarem várias vezes ao dia.

Um pescador bem sucedido, deve manter-se atento a todas as condicionantes.

O primeiro passo a desvendar será a localizar o melhor local para a pesca.




Tenha em conta a estação do ano, hora do dia e as condições climatéricas. Por exemplo, num dia de Outono nublado, o Achigã provavelmente andará por zonas rasas, já num dia brilhante no verão, o Achigã pode se alimentar em águas rasas abertas no início da manhã, mas à medida que o sol sobe, o Achigã vai preferir zonas mais profundas ou áreas sombreadas em águas rasas.

Para localizar este predador esfomeado, uma boa solução, passa por usar inicialmente um tipo de amostra rápida como um crankbait ou spinnerbait, concentre-se na profundidade em que trabalha a amostra, alterne entre zonas mais rasas e mais profundas.

Se fisgar algum Achigã, observe cuidadosamente a profundidade exata e o tipo de cobertura e estrutura do local onde sofreu o ataque.

Trabalhe essa área completamente, mas mantenha-se em movimento caso esse local não seja mais produtivo.

Caso tenha encontrado um covil destes predadores tente não fazer barulho nem grandes movimentos, não mude de amostra enquanto a que está a usar, se demonstra produtiva.

A apresentação torna-se mais importante quando o peixe pára com os seus ataques ou quando estes não existem.

Mudar a mostra para uma de ação, cor ou tamanho difente, pode desencadear uma greve por parte o Achigã.

Selecione a amostra com base na situação, continuando a lançar em direção ao peixe.





Tente várias atrações e diferentes recuperações para encontrar a combinação certa.

Antes de abandonar um bom lugar, observe sua localização exata, tente encontrar alguma marca por exemplo um tronco, uma saliência na margem, algum tipo de vegetação qualquer ponto de referência para que se possa orientar numa próxima vez.

Sítios produtivos geralmente continuam, a o ser, em futuras pescarias.

Esteja especialmente atento a sítios semelhantes nas proximidades, pois se reunirem condições semelhantes podem também ser bons sítios.

Se o tempo permanece estável, os padrões que você encontrar um dia provavelmente serão semelhantes no dia seguinte. Mas uma mudança no tempo, provavelmente, resultará em um novo conjunto de padrões.

Encontrar um padrão a seguir para o Achigã em águas profundas pode ser difícil e demorado. Estes peixes muitas vezes ignoram o movimento rápido das amostras , então ,deve usar uma apresentação mais lenta. Quando fisgar um peixe em águas profundas, tentar recolher rapidamente o peixe do local, pois a luta que ele provocar poderá assustar outros Achigãs.

Às vezes, não existe um padrão definido. Pode capturar aqui um e ali outro, mas raramente, mais do que um no mesmo local. Tente mover-se e cobrir o maior número de área possível, incluindo aqueles lugares onde você capturou peixe no início do dia.




Criar um diário de pesca pode ser muito útil. Um registo bem cuidado pode ajudá-lo a encontrar padrões de sucesso quando as condições são semelhantes nos próximos anos.

pesca ao achiga portugal

 

Estrutura/ Cobertura do Pesqueiro

Encontrar uma estrutura é a chave para encontrar achigãs. Geralmente os achigãs encontram-se em torno de algum tipo de estrutura.

Pescadores que não sabem como encontrar estas estruturas no seu pesqueiro têm pouca chance de sucesso consistente.

Estrutura significa simplesmente uma mudança no fundo do pesqueiro.

Podem ser uma alteração na profundidade ou apenas uma diferença no tipo de material do fundo, como, pontões, ilhas submersas, rochas ou cascalho ou cruzamentos com outros canais de água são as estruturas típicas de muitos pesqueiros.

Cobertura significa algo que está na superfície da água e ao contrário das estruturas, as coberturas são perfeitamente visíveis.

Podem ser vegetação, postos de captação de água, cais para barcosn entre outros, que permitem ao achigã localizar-se acima da linha de água.

Canas para Spinning

 

Material para a pesca ao Achigã

Cana: A cana a utilizar na pesca ao Achigã deverá ser uma cana de spinning, Medium ou médium Heavy. Em relação ao comprimento 1,80 metros a 2 metros será o mais indicado.

Carreto: O carreto deve ser leve mas robusto, pois iremos lançar e recolher bastantes vezes. Conselho um entre 1000 a 2500.

Ratio: se possível devemos adquirir um carreto com uma recuperação rápida, carretos com ratio acima de 5:1:1 serão os mais apropriados.

Linha Madre: A linha do carreto não deve exceder os 0,30 mm de diâmetro.

Linha Estralhos: A linha dos estralhos, se possível, deve estar compreendida entre os 0,20 a 0,28 de diâmetro. Dê preferência a linhas com pouca elasticidade, pois menor elasticidade maior sensibilidade.

Chumbo/ Anzois/ Destorcedores/ Missangas/ Batentes de latão- Na escolha destes acessórios, deverá ter em conta o tipo de montagem que vai utilizar.



Outros acessórios

Óculos polarizados

A utilização de óculos polarizados poderá ser uma boa opção, por vezes, com o reflexo do sol na água não conseguimos ver alguns peixes quando se pesca em águas pouco profundas.

Pode ver no exemplo abaixo, a diferença de visão com e sem o uso de óculos polarizados.

Pesca com oculos polarizados

Amostras

São inúmeros os tipos de amostras presentes no mercado.
Deixo abaixo algumas considerações a ter na escolha na amostra que vamos utilizar.
Contudo como sabe, na pesca, não existe certezas, devemos praticar, experimentar e testar o maior número de amostras, assim como, variar na forma de as trabalhar.

Exemplo de Amostras:
amostras-para-achiga-pesca-portugal




As amostras de superfície são explosivas em manhãs quentes de verão, quando o Achigã se alimenta nos baixios. No entanto está técnica seria, provavelmente, um desperdício de tempo numa manhã fria do final do Outono, quando o achigã não está no ativo.
Em águas muito claras, as amostras de superfície funcionam melhor em períodos de pouca luz, enquanto que em águas escuras, elas funcionam em todos os estados de luz.
A claridade da água afeta a escolha das cor amostras. As cores brilhantes ou fluorescentes são uma boa opção em águas turvas ou escuras, enquanto que as cores naturais que imitam presas do Achigã são mais eficazes em águas claras.
Talvez o fator mais importante na seleção da amostra será o tipo de pesqueiro.




Se estiver a pescar num sítio com muita vegetação aquática, será conveniente usar uma amostra ou vinil que não prenda muitas vezes e que não traga sucessivamente ervas agarradas.
Uma boa opção será utilizar vinis com ou sem cabeçotes, acoplados numa montagem conveniente.
Quando em águas sem obstáculos, e com o achigã em busca das suas presas, amostras como crankbaits e spinnerbaits executados em meia profundidade geralmente produzem bons resultados.

Boas Pescas.

Comentários

comentários

1 Comment

  1. Fernandes

    31 de Julho de 2016 at 12:10 pm

    Excelente. Gostei

Deixar comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *